Skip to content

Cidadania italiana – Tradução de documentos

bandeira
Após 55 anos, finalmente o Brasil aderiu à Convenção da Apostila de Haia:
Veja o Decreto n⁰ 8660 / 2016
Veja as Informações do CNJ

Antes tarde do que nunca!

A apostila nada mais é do que um certificado de autenticidade colocado em um documento público para atestar sua origem (assinatura, cargo de agente público, selo ou carimbo de instituição), dispensando assim a legalização dos documentos nos consulados dos países que aderiram à Convenção de Haia.

O documento deverá ser acompanhado da respectiva tradução, pois de nada adianta você chegar no exterior com um documento incompreensível.
Porém, qual é a sequência para traduzir um documento apostilado?

O que eu posso recomendar é: Siga a metodologia já utilizada em outros países.
A Espanha, por exemplo, aderiu à Convenção de Haia no ano de 1978!
traduccion_espanha

Ou seja, primeiro devemos apostilar o documento, em seguida enviar para ser traduzido e só então apostilar a tradução.

E por que não apostilar tudo junto?
Ao apostilar tudo junto, não é possível garantir que o documento que foi enviado para ser traduzido era o original, pois além dos fatores citados abaixo, nenhum tradutor possui treinamento para identificar documentos falsificados.

Aí você me diz: Ahhhh, mas há o número de matrícula, número de registro, o papel moeda possui diversos itens de segurança, etc.

Veja bem… Muitos tradutores aceitam receber os documentos via e-mail e dessa forma é possível que alguém adultere alguma informação que consta no documento (mantendo o seu número de matrícula, registro, etc) e envie para ser traduzido.

Além disso, muitos cartórios não seguem o Provimento n⁰15 do CNJ, que instrui utilizar o papel moeda para a impressão:
provimento15cnj

Veja por exemplo a certidão de nascimento abaixo, que não foi impressa em papel moeda:
certidao

Se o tradutor receber um documento adulterado sem perceber, ele fará a tradução e você poderá apresentá-lo no cartório/tabelionato como sendo uma tradução baseada no documento original!
O cartório/tabelionato não fará a verificação, pois eles desconhecem o idioma.
Resumindo: Esse processo não é robusto!

Nenhum desses problemas ocorrerá, mesmo em documentos enviados via e-mail, se ele já estiver apostilado, pois o tradutor poderá se certificar que o documento é realmente original, bastando:

Acessar o site de conferência da apostila e digitar os 2 códigos que constam na apostila:
site cnj

Depois, acesse a opção “Clique aqui para visualizar o documento”:
verificar documento

Na imagem abaixo você está visualizando a apostila que foi impressa e colada ao seu documento.
Agora acesse o link que consta na parte inferior direita para visualizar os documentos que foram escaneados pelo cartório/tabelionato:
apostila

Agora basta clicar sobre o link do respectivo documento que será traduzido:
doc_scaneado

Basta que o tradutor certifique-se que o documento recebido confere com esse documento que está sendo exibido pelo site do CNJ:
documento

Para finalizar, basta o tradutor informar na própria tradução:
“Documento traduzido com base no original, no qual a sua autenticidade foi verificada no site www.cnj.jus.br/apostila/conferencia pelo Código xxxxx e CRC xxxxx”
traduzzione

Be First to Comment

Deixe uma resposta